18 de mai de 2015

#HistoriaComSabor: Devorando palavras em Colombiano








Contar esta história seria impossível sem ouvir Alejandro e Shakira (TchaKira ou Chaquirua), porque ela tem sotaque, ela tem o "como se fala", ela tem ritmo. E Aprendi a gostar deste som por influência de uma menina colombiana. Contar esta história é falar de língua, de sua função gustativa e de comunicação. Comer é uma forma de devorar palavras. E devorar palavras é um modo de saborear o mundo.

E foi assim, depois de uma derrota inacreditável que tirou o Brasil da Copa do Mundo de 2010, que um garotinho apareceu na televisão chorando e proferindo palavras de tristeza. E naquele momento, Lucia Salamanca percebeu que gostaria de falar português para entendê-lo,  entendeu que gostaria de provar aquele sabor carregado de dor e Brasil. A degustação se deu ainda na faculdade da Colômbia. E a cada letra que provava da brasilidade, mais perto ela estava de descobrir uma mistura agridoce que o Brasil tem.

E buscando provar o que significava um vasto vocábulo que ia da palavra saudades até o aroma da liberdade, ela desembarcou em terras tupiniquins para ensinar o paladar do inglês para comunidades no Capão Redondo. Um visto de entrada no país com duração certa e um sabor de buscar aquilo que ainda não tinha nome, a cada dia que passava por aqui, Luci acrescentava ao seu grande conhecimento linguístico um amor pelo Brasil que dava a ela o significado de ser o que realmente era.

Há quem deixe sua terra natal por conta de guerras, por problemas financeiros, para estudar, trabalhar... Lucia estava deixando uma vida de conforto para se deparar com o desconhecido que a ajudaria a se encontrar, a revelar realmente quem era ela. E isso se deu aqui, no balanço do transporte público, no arroz com feijão cotidiano, em um envolvimento social que abriria portas para tantas pessoas neste mundo e um portão inteiro para que ela fosse feliz.

No dia em que a passagem de volta à Colômbia estava marcada, Salamanca acordou com aquele gosto amargo da despedida e ao som do despertador. Olhou para as malas e para seu futuro... e decidiu despertar para  o segundo. Ela não pegou aquele avião, preparou foi uma xícara com café.

E foi neste assunto de acordar, se encontrar e saudades que ela foi preparando para mim Arepas, uma das coisas que para ela tem mais gosto de Colômbia. Arepas de saudades, prato  que é a especialidade de seu pai e tradição no café da manhã colombiano. E o pai ainda preparava as arepas para ela com recheio especial, do jeito que gosta, da forma que decifra sabores e personalidade.

E este prato especial de farinha de milho e recheio diverso é a tradução do sotaque dela. Da Lucia que morou em um hostel e conheceu gente do mundo todo, da menina colombiana que eu conheci num bar de salsa, da designer que preparou meu convite de aniversário e participou da minha festa como o primeiro aniversário brasileiro em que esteve. Lucia, de uma inteligência encantadora e de histórias ímpares.Alguém especial por se assumir quem é, por ter vontade e provar todos os sabores da vida e os dialetos que eles trazem. Ela não se arrepende nem de uma caloria ou um acento a mais.

Dizer que aquelas arepas ganharam um significado pessoal além de um sabor incrível é um pleonasmo. Falar que abandonar todo o conforto para se assumir senhora do próprio destino é só para quem tem coragem de abocanhar a vida e aproveitar cada pedacinho dela é uma redundância. Falar de Lucia Salamanca é devorar o não-convencional em forma de amizade.

Hoje é seu aniversário e decidi contar sua história fazendo desta receita de arepas, amizade, coragem e destino um bolo enorme de palavras e afeto. 

Para Lucia Salamanca, um desejo de felicidade.

Receita

Arepas de Saudade de Lucia Salamanca








- Ingredientes

Massa

60g de Manteiga
700 ml de água
500g de farinha de milho

Recheio 

Frango desfiado temperado com coentro, manjericão, cebola, tomate, sal e azeite

Preparo

Massa

Ferva a água e acrescente a manteiga e o sal. Depois de dissolvido, misturar à farinha de milho e sovar. Após a mistura ficar homogênea, deixe a massa crescer. Com o crescimento, divida a massa em discos e coloque na frigideira até ficarem dourados e crocantes. Faça aberturas nos discos para acrescentar o recheio.

Recheio

Cozinhe o peito do frango. Finalizada esta etapa, desfie o frango e leve-o à frigideira. acrescente os temperos, os legumes e o azeite. Ponto a gosto. 







3 comentários:

  1. Que história linda Nathalia! E que texto lindo!
    Comi arepas na Venezuela e achei sensacional. Vontade enorme de comer mais uma vez, obrigada por disponibilizar a receita!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila, que delícia em ler isto. Transportar as pessoas para aconchego através do sabor e das palavras é gratificante demais.

      Excluir
  2. Ela sempre será minha história favorita <3

    ResponderExcluir