10 de dez de 2012

Bar do Juarez: para matar a fome e as saudades

" Saudade s. f . Lembrança triste e suave de pessoas ou coisas distantes ou extintas, acompanhada do desejo de tornar a vê-las ou possuí-las;pesar, pela ausência de alguém que nos é querido;nostalgia ...". ( Dicionário Aurélio)
Foi assim. Senti saudades, senti toda esta mistura de ingredientes vitais para depois saborear a presença de quem faz a gente se redescobrir. Sentar à mesa tem disso. Depois de 5 anos, um reencontro, um bar e muitas histórias.

Nesta semana, finalmente conheci o badalado "Bar do Juarez". Há tempos eu queria provar das maravilhas do lugar e este desencanto se fez presente. O gosto foi ainda mais saboroso, já que esta minha visita foi fruto de um reencontro com amigos do Ensino Médio. Pois é, fazia tempo, acho que por esta razão tudo foi ainda mais especial.



Tem um dito italiano que salienta que devemos compartilhar a mesa com quem realmente mereça este espaço nas nossas vidas. Eu não ouso contrariar. E com estes devaneios saudosistas, o Bar do Juarez tem tudo a ver. Aquela atmosfera de saudade, do antigo que preserva o novo, os azulejos azuis e brancos nas paredes, a cerveja na mesa e gente sorrindo, compartilhando de toda uma intimidade. Dizem que é assim que celebramos a vida.



O atendimento é bastante atencioso. Há quem diga que eu opero milagres, faço até aquela pessoa mais tímida falar, mas o pessoal do Juarez não necessitou de tanto trabalho para tal. O pedido chegou pouco depois de alguns chopps muito bem tirados, refrescando uma segunda-feira tímida e repeitando nosso bolso. Cada um por justos R$ 6.50.


Ainda no momento bebidinhas, tive de apresentar minha paixão por cachaças para meus amigos. Na real, eu acho que o que rola sempre é algo do tipo "É, quero ver se ela bebe de verdade". Desculpem, meus caros. Eu não bebo, eu aprecio. E sempre com moderação. ;)
Para iniciar este povo no universo da marvada optei por uma Germana Tradicional - aliás, esta é a melhor opção para quem não é tão íntimo da bebida - que na casa a dose custa R$ 13. Para finalizar outra dose de Boazinha que não foi unanimidade e custou R$ 8 para nossos bolsos.

Para beliscar, optamos pela picanha no rechaud. A carne estava no ponto e veio acompanhada por farofa, vinagrete e cesta de pães. Tudo muito saboroso e bem temperadinho. Esta delícia custou R$ 84, que no rateio não fica tão pesado para ninguém. Vale a pena.


Gostei bastante e pretendo voltar. Visitamos a unidade de Moema que, apesar de cheia, é bem tranquila e tem um estacionamento bem em frente, no valor de R$ 15.

Para você que quer conhecer um lugar tradicional e marcante de São Paulo esta é a dica. Só não esqueça do tempero especial desta postagem: esta é uma excelente oportunidade para reunir pessoas que sentimos saudades.

Serviço
Bar do Juarez
Avenida Jurema, 324 - Indianópolis
São Paulo
(0xx)11 5052-4449

6 comentários:

  1. Parece um lugar delicioso! Adoro clima de barzinho, apesar de não beber! haha
    Beijos,
    Carol.

    ResponderExcluir
  2. Que revival delicioso com os amigos! Esse bar é muito gostoso, faz um bom tempo que não passo lá. Beijo, Helka

    ResponderExcluir
  3. Ai, que maldade esse post!!! Salivando por aqui... Esse bar parece ser incrível mesmo!

    ResponderExcluir
  4. Eu fui pela primeira vez mês passado, uns amigos que moram em SP falaram que a picanha no rechaud é um clássico da casa. É tudo uma delícia, uma ótima sugestão mesmo.

    ResponderExcluir
  5. Esse choppinho deu água na boca.

    ResponderExcluir
  6. Eu adoro um bar brasileiro, tem um arzinho todo diferente, e aconchegante, ainda mais quando o o lugar recebe o nome do dono *__* E compartilhar uma boa refeição, uma bebida daquelas, só presta mesmo se for acompanhado daqueles amigos, acho que faz sim toda a diferença. São muitos sentimentos juntos mesmo.

    Beijos

    ResponderExcluir